Google+ Followers

30.9.09

Pá popá o pó...

Não recordo mais a data, mas certamente corria algum dos meses de férias escolares de algum ano do final da década de setenta. Nestas épocas, íamos de Caxambú para Campos Gerais, ambas cidades do sul das Minas Gerais. A primeira onde morávamos, onde vivi até meus onze anos. A segunda, terra natal de meus pais e meus avós. Meus avós paternos, José Antônio da Rocha, o "Zé menino", e Maria Vitória, moravam em uma pequena propriedade, às margens da rodovia que liga Campos Gerais à Boa Esperança. Lá passávamos boa parte de nossas férias... Ô, saudade!
 
Certa manhã, na cozinha, à beira do fogão, aguardava meus avós coarem o café. Meu avô havia colocado a água para ferver, e minha vó chegou, viu a água fervendo e perguntou, no seu bom e simples "minêres":
- A água tá ferveno. Pó pô pó?
Meu avô respondeu:
- Pó pô, uai.
Pegou a lata que continha o pó de café, na prateleira, viu que restava pouco, e completou:
- Uai, tá cabano o pó... Vô pô poquim pá popá o pó.
Assim que terminou de falar, soltou uma gargalhada e caímos todos no riso... E ela começou repetir os pá, os pós, e disse:
- Ihhh, uai.. qui cunversa di doido... Pó pô papopa pepepe popáopó!!! Parece gago cunversano!
E ficamos rindo da situação por um bom tempo.
 
Aquilo chamou-me a atenção e comecei a contar a história, inclusive na famosa "redação" que fazíamos nas aulas de
português, quando retornávamos às aulas.
 
Hoje ouço e leio por diversas fontes as bricadeiras com o jeito mineiro de falar, o sotaque, e esta frase maluca, circulando inclusive por e-mails na internet, e divirto-me novamente, relembrando a situação.
 
Resolvi escrever este texto, relembrando e contando a origem desta história, em memória a meus dois avós, José Antônio da Rocha e Maria Vitória, personagens ímpares de minha história, com os quais passei alguns dos melhores de minha vida. "Brigavam" o tempo todo, mas estavam sempre juntos, e como se divertiam um com o outro, com as brincadeiras, as provocações... Tudo era motivo para começar uma "briginha" e terminar em brincadeira, em gostosas risadas.
 
Que saudades daqueles dois!!!