Google+ Followers

12.1.06

Meias verdades.

Nosso presidente adora falar por metáforas. Disso já estamos cansados de saber, e a mídia também.
A mídia, tendo percebido logo que não se tratava do abuso de figura de linguagem e sim da limitação de capacidade de comunicação e expressão, deixou de bajulá-lo. As historinhas e piadinhas tornaram-se sem graça e passaram a ser criticadas.
Entretanto, nosso presidente também adora falar meias verdades. E meias verdades são também meias mentiras, ora essa!
Características de falsos moralistas, marxistas enrustidos, pseudo-intelectuais, políticos vigaristas e populistas, e outros 'malandros' de toda a espécie, as meias verdades tem o propósito de garantir que seu portador tenha sempre a razão, esteja sempre certo, jamais possa ser contestado.
É praticamente impossível refutar ou questionar uma meia verdade. Se observadas apenas do ângulo que são apresentadas, são exatamente verdadeiras. E ponto final.
Querem um exemplo? Pois bem. O José Dirceu afirmou categoricamente que jamais ofereceu dinheiro a qualquer deputado, o tal 'mensalão', para conseguir cooptá-lo. Alguém duvida disso? Eu creio piamente no que ele afirmou. Somente alguém deprovido de suas faculdades mentais poderia acreditar no contrário. Mas é uma meia verdade!
Ele, José Dirceu, jamais fez isso. Mas certamente alguém sob seu comando, orientação, pressão, anuência - ou sei lá mais o quê - o fez. Ou alguém pode me afirmar, com todas as letras, que o Genoíno, 'o nosso' Delúbio e o Marcos Valérios agiram sozinho, por iniciativa própria, etc, etc, etc. ?
Ele, José Dirceu, jamais ofereceu DINHEIRO... Mas e o quê mais? Afinal, poderia muito bem ser cheque, ordem de pagamento, TEF, festins, malas, cuecas, cargos, recursos orçamentários... e tantas outras formas de 'incentivo' para mudanças de partido, votações favoráveis... É ou não?
Mas voltemos ao presidente... Ele disse na 'entrevista' ao Bial que a história do mensalão - que antes, diga-se de passagem, não existia! - foi uma traição, foi uma facada nas costas...
Concordo. Não tenho a menor dúvida disso. Mas é uma meia verdade!
A mídia fica insistindo na pergunta: quem o teria traído? José Dirceu? Delúbio? Genoíno? Marcos Valério? O PT?
Não, meus caros. Nenhum deles. Meias verdades são assim mesmo... destinam-se a confundir, não a esclarecer nada. Já se disse que "se você não pode explicar-les tudo direitinho, confunda-os...".
Mas eu lhes digo que matei a charada: sim, tenho certeza. O traidor, o Judas, o esfaqueador covarde foi... tam...tam...tam...ram... Roberto Jefferson!
Isso mesmo! Ele mesmo! Que pouco tempo antes havia recebido um cheque em branco do seu leal amigo e companheiro presidente! O traíra teve a capacidade de denunciar ! Escancarou nas páginas da Folha um segredo que deveria ter levado para o túmulo!!! Traídor! Falso!
Lula se sai bem dessa, assim. Traído, vítima... Pobre coitado! Esfaqueado pelas costas por seu amigo de política e de jantares reservados, acompanhados de suaves melodias e doces acordes de piano... Enquanto o ardiloso preparava-lhe o assassinato - ou tentativa dele - mirando no Zé Dirceu... "Sai daí, Zé!". E que falso amigo, ainda tentando parecer bondoso: "... senão vai tornar réu um homem inocente!".
...E Roberto Jefferson crava-lhe uma faca nas costas... Deve ter sido a mesma que usou para degolar José Dirceu e, de quebra, Delúbio, Silvinho, Genoíno, Marcos Valério, Duda Mendonça (esse foi somente arranhado...) entre tantos outros.
Meias verdades... Meias verdades são também meias mentiras!
Estou farto delas! E do lado perverso que elas carregam, pois tornam inglória e cansativa - as vezes infrutífera - a luta daqueles que procuram, realmente, promover a dignidade do ser humano, tornar a vida mais supotável, cultivar alguns dos valores mais significativos da natureza humana: a honestidade, a honra e a verdade!

Nenhum comentário: