Google+ Followers

30.8.05

Referendo contra a venda de armas de fogo e munição (I).

"Nosso adversário, que tem as armas na mão e se cerca de forças consideráveis, se cobre com a palavra de paz enquanto se entrega a atos de guerra." - Demóstenes

"Quanto mais corrupto um governo, mais leis contra a posse de armas" - frase atribuída a Cornélius Tacitus, historiador romano, 116 DC, em "The Annals of Imperial Rome"

É minha opção consciente e irreversível responder "NÃO" à proibição da comercialização de armas de fogo e munições, no referendo marcado para Outubro.

E vou explicar claramente os meus motivos:

Primeiramente os objetivos nebulosos dessa proposta maluca, a começar pelo próprio "Estatudo do desarmamento" (Lei 10.826, de 22 de dezembro de 2003 - DEC. Nº 5.123/1º.07.2004 - Regulamentação). Porque é que uma lei se preocupa tanto em "regulamentar" o uso de armas de fogo, praticamente inviabilizando o porte por 'mortais' comuns, e tornando extrememente difícil - e caro - o registro de armas, para depois proibir de fato o seu uso? Sim, porque caso o referendo valide a proibição da comercialição, ficará proibida a venda de armas e munições. E arma sem munição mal serve para enfeitar paredes. Vamos continuar a conviver com privilegiados que poderão importar munição, além daqueles privilegiados que atualmente podem portar armas?

Depois, é preciso pensar o seguinte: não são as armas que matam, são as pessoas. Pessoas mal-intencionadas, despreparadas, descontroladas... Seguindo esse raciocínio, posso dizer também que acidentes de trânsito, bebidas, cigarro e drogas matam muto mais do que armas. E então? Vamos proibir a comercialização de automóveis? De bebidas? De cigarro? Adianta alguma coisa, já que o comércio das drogas é totalmente ilegal, mas existe e causa-nos tantos males?

Eu sou pai! Sou responsável em primeira ordem pela segurança de minha casa e de minha família, em primeira instância. Não quero abdicar dessa responsabilidade em favor da polícia. Mesmo porque, apesar do enorme esforço de milhares de brasileiros abnegados que colocam suas vidas em risco por um salário insignificante - os policiais - a capacidade da polícia de evitar desastres é muito limitada. Todos sabemos que nosso sistema de segurança ja faliu há muito. O que não consigo entender é porque um governo que criou um Fundo Nacional de Segurança para 'investir' onze milhões de reais - e que não chegou a usar esse valor - vai agora gastar pelo menos mais vinte vezes esse valor - ou mais - apenas para proibir o comércio legal de armas!

Eu sou a favor da vida! E quero ter a opção de, em primeiro lugar, defender minha família e minha própria vida, podendo comprar, legalmente, uma arma de fogo e me capacitar a usá-la corretamente, e a ser responsável pelo seu uso.

Outro dia lí uma provocação interessante na internet, mais ou menos assim: Que tal você, que defende o desarmamento dos homens de bem com unhas e dentes, colocar uma faixa na frente de sua casa com os dizeres "Somos pela paz, não temos nenhuma arma nessa casa!". Os ladrões e assassinos não adorariam saber?

Quanto ao referendo, o TSE proibiu recentemente a manifestação de opinião pela midia. Isso depois da Globo usar e abusar de suas propagandas, chegando mesmo a exibir vinhetas especialmente preparadas para iludir aos incautos. E mesmo depois da proibição a Regina Casé apareceu nos seus quadros no Fantástico usando as crianças para fazer um "merchandizing" sobre o desarmamento.

Ser pelo NÂO no referendo não significa ser "armamentista", como querem fazer crer os mal-intencionados, aqueles que chamam de 'bancada da bala' os parlamentares contra a proibição. E as pessoas já incorporaram tanto essa confusão que, em uma discussão qualquer sobre esse assunto, basta mencionar ser pelo NÃO no referendo que já se é taxado de assassino em potencial, defensor dos crimes, contrário à vida! Mas ser pelo NÂO no referendo significa apenas declarar que cabe a cada um o DIREITO de optar por comprar uma arma legalmente, ou não comprar. Que o fato de comprar uma arma não nos pode tornar criminosos, e que o fato de possuir uma arma não nos transforma em assassinos em potencial.

Outro paradoxo impressionante que tenho observado é que pessoas declaradamente abortistas são a favor da proibição, da erradicação total das armas... Alguém poderia me explicar?

Voltarei ao assunto.

Veja alguns links onde se informar melhor sobre os reais objetivos do desarmamento e outros "pequenos detalhes" interessantes:

http://www.midiasemmascara.org/editoria.php?id=13

http://www.movimentovivabrasil.com.br/

http://www.apaddi.org.br/


http://www.votonao.com.br

Nenhum comentário: